WeChat da China proíbe contas relacionadas a criptomoedas e NFTs

A principal rede social da China, o WeChat, atualizou suas políticas para banir contas que fornecem acesso a serviços relacionados a criptomoedas ou tokens não fungíveis (NFT).

Sob as novas diretrizes, as contas envolvidas com a emissão, negociação e financiamento de criptomoedas e NFTs serão restritas ou banidas e se enquadrarão na categoria de “negócios ilegais”.

A política também abrange a negociação secundária de NFT, com a empresa observando que “as contas que prestam serviços ou conteúdos relacionados à transação secundária de coleções digitais também devem ser tratadas de acordo com este artigo”.

A medida foi destacada pelo repórter de notícias cripto de Hong Kong Wu Blockchain (Colin Wu) na segunda-feira, ao apontar a importância do fato, já que o WeChat tem mais de 1,1 bilhão de usuários diários na China.

O WeChat, com mais de 1,1 bilhão de usuários ativos diários na China, atualizou suas regras: as contas públicas do WeChat que envolvem a emissão, negociação e financiamento de criptomoedas e NFTs terão função limitada ou serão banidas. https://t.co/0I9oMrvFTp

— Wu Blockchain (@WuBlockchain) 20 de junho de 2022

Em termos de punições, a nova política afirma que “uma vez que tais violações sejam descobertas, a plataforma pública WeChat, de acordo com a gravidade das violações, ordenará que as contas oficiais violadoras sejam corrigidas dentro de um prazo e restringir algumas funções da conta até a conta permanente seja banida.”

O governo chinês lançou uma proibição faseada no setor de criptomoedas local entre maio e setembro do ano passado. No entanto, dado o momento da última atualização de política no WeChat, isso pode sugerir que a plataforma estava deixando algumas atividades relacionadas a criptoativos passarem despercebidas desde então.

Além disso, ainda há uma área cinzenta regulatória no país em relação a NFTs, pois os ativos podem ser comprados em moeda fiduciária. Ainda assim, empresas e plataformas geralmente proíbem a negociação secundária para evitar possíveis problemas de conformidade sobre a financeirização da tecnologia.

Em geral, as autoridades desaprovam os NFTs, com a China Banking Association, a China Internet Finance Association e a Securities Association of China emitindo uma declaração conjunta em abril alertando o público sobre os “riscos ocultos” de investir nos ativos.

Plataformas populares como WeChat e WhaleTalk, de propriedade do grupo Ant, estão se distanciando da tecnologia desde março, depois que ambas começaram a remover ou restringir plataformas NFT de suas redes por falta de clareza regulatória e medo de uma repressão de Pequim.

Apesar disso, uma reportagem da mídia local na quinta-feira destacou dados que mostram que o número de plataformas colecionáveis ​​digitais na China cresceu para mais de 500, um aumento de cinco vezes desde fevereiro de 2022.

LEIA MAIS: 

Siga-nos nas redes sociais

Siga nosso perfil no Instagram e no Telegram para receber notícias em primeira mão!





Fonte: cointelegraph.com.br