Tether anuncia stablecoin pareada à libra esterlina para entrar no mercado britânico



Nesta quarta-feira (22), Tether, a maior emissora de stablecoins do mundo, anunciou que irá lançar em julho uma nova stablecoin pareado à libra esterlina.

De acordo com um comunicado divulgado pela empresa, a stablecoin GBPT será integrada inicialmente à blockchain do Ethereum.

GBPT será a quinta stablecoin pareada a uma moeda fiduciária a ser lançada pela Tether, seguida de USDT (pareada ao dólar), EURT (pareada ao euro), CHNT (pareada ao yuan chinês) e a recém-lançada MXNT (pareada ao peso mexicano).

Stablecoin é uma criptomoeda criada para ser resgatável por uma quantia fixa de um bem monetário menos volátil, como uma moeda fiduciária. Tais moedas são criadas para fornecer eficiência a pagamentos em blockchain com moedas tradicionais.

Reguladores ao redor do mundo estão prestando bastante atenção aos benefícios e riscos relacionados a stablecoins, desde seu uso em remessas internacionais a transações ilícitas.

De olho no Reino Unido

O Reino Unido anunciou sua intenção de se tornar um “núcleo de tecnologia de criptoativos” em abril, inspirando a Tether a acomodar seus serviços para a moeda regional.

“Acreditamos que o Reino Unido seja a próxima fronteira para a inovação blockchain e ampla implementação de criptomoedas para mercados financeiros”, disse o diretor de tecnologia da Tether, Paolo Ardoino, no comunicado.

“A Tether está pronta e disposta a trabalhar com reguladores britânicos para tornar esse objetivo em uma realidade e está ansiosa para a adesão contínua das stablecoins da Tether”, acrescentou Ardoino.

Stablecoins conseguiram aumentar sua participação na capitalização total do mercado cripto nos últimos meses à medida que a maioria das criptomoedas de livre flutuação se desvalorizaram. Por enquanto, três das seis principais criptomoedas do setor são stablecoins pareadas ao dólar.

Apesar de o USDT da Tether continuar sendo a maior stablecoin, o USDC da Circle está se aproximando rapidamente. O USDT perdeu bilhões de dólares em resgates desde maio enquanto a capitalização de mercado do USDC aumentou em 5%.

O colapso da stablecoin UST do Terra, anteriormente a terceira maior stablecoin do mercado, gerou uma onda de saques durante o mês de maio conforme investidores começaram a perder a confiança em suas alocações em stablecoins.

No entanto, Ardoino acredita que o acontecimento serviu como uma prova de que a Tether consegue lidar com tais saques “sem pestanejar” enquanto mantém a paridade de seu token ao dólar.

*Traduzido por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.





Source link