O metaverso nos permite explorar a imaginação humana, diz fundador do The Sandbox


Enquanto o interesse no metaverso parece desacelerar, um pioneiro no espaço ainda está trabalhando duro, defendendo o metaverso aberto, um multiverso descentralizado e interoperável.

Em entrevista ao Cointelegraph Brasil, Sebastien Borget, fundador do jogo de blockchain de mundo aberto The Sandbox, compartilhou alguns de seus pensamentos e conhecimentos sobre Web3 e o estado do metaverso.

De acordo com Borget, o metaverso é uma porta de entrada para novas experiências limitadas apenas pelo que os usuários podem pensar. Ele explicou que:

“A Web 3.0 e o metaverso estão permitindo que cada um de nós se torne um explorador de nossa imaginação humana, inventando novos universos paralelos onde podemos escolher as experiências que queremos viver.”

O fundador da Sandbox também menciona que o metaverso já começou a influenciar a maneira como as pessoas “socializam, formam relações econômicas e se reúnem em comunidades”. Ele acredita que dentro de uma década, haverá mais desenvolvimentos no espaço.

“Prevemos que nos próximos 10 anos, o metaverso terá transformado profundamente a maneira como pensamos sobre a maneira como trabalharemos, socializaremos, jogaremos e ganharemos com as oportunidades econômicas e empregos que está criando.”

Borget acredita que o papel das plataformas deve ser garantir que o processo de criação seja divertido e gratificante e que ouvir o que os usuários desejam deve ser a prioridade. “Criamos esse ecossistema, mas as experiências e os ativos que os jogadores criam e compartilham são o que o impulsiona”, diz Borget.

Além disso, a governança do metaverso deve ser transferida para os usuários de acordo com Borget. Isso será feito por meio de um lançamento de organização autônoma descentralizada (DAO) com mecanismos de votação.

O Sandbox está oferecendo um metaverso descentralizado. Borget explica que isso significa que seus usuários não estão bloqueados em sua plataforma. “É importante para nós que o conteúdo que você possui ou cria no Sandbox possa ser transferido para outros metaversos abertos e vice-versa”, disse ele. Borget também enfatiza que a descentralização é o caminho a seguir, em vez de ficar preso em um “microverso” da Web2, onde a propriedade do conteúdo é aprisionada pelos magnatas da tecnologia.

“Estamos defendendo fortemente que o núcleo do metaverso aberto seja descentralização, interoperabilidade e conteúdo gerado pelo criador.”

Quando perguntado sobre o que vem a seguir para o Sandbox, o fundador explicou que a equipe está construindo a plataforma passo a passo. “Nossa visão de um metaverso de entretenimento descentralizado onde todos podem jogar, criar e ser recompensados ​​por seu tempo jogando para ganhar está ressoando fortemente. Passo a passo, estamos construindo o ecossistema para perceber o potencial que o Sandbox oferece aos jogadores, criadores e parceiros”, diz Borget.

Sebastien Borget, Fundador e COO do The Sandbox. Fonte: borget.net

Além disso, o fundador explica que o próximo passo é permitir que os criadores construam e compartilhem experiências dentro de suas terras. Borget diz que as pessoas podem esperar mais conteúdo original gerado pela comunidade daqui para frente.

O executivo da Sandbox também ressaltou que, apesar de nações como Estados Unidos, China e Turquia anunciarem estratégias de metaverso, essas partes não conseguiriam controlar o metaverso. “Essa diversidade de propriedade significa que nenhuma parte pode controlar o metaverso”, disse ele.

Borget também menciona que o Sandbox também visa tornar os jogos mais justos. O fundador diz que eles “querem especialmente fazer do Sandbox um lugar acolhedor para mulheres como criadoras e jogadoras”. Isso também pode trazer mais mulheres para a Web3.

“Apoiamos os esforços dos criadores para construir mundos inclusivos que possam inspirar os jogadores a ver além das diferenças externas e ao mesmo tempo apreciá-las.”

LEIA MAIS: 

Siga-nos nas redes sociais

Siga nosso perfil no Instagram e no Telegram para receber notícias em primeira mão!





Fonte: cointelegraph.com.br