Novas leis de AML da Estônia definidas para reprimir a indústria de criptomoedas

A partir de fevereiro, a Estônia deve introduzir mudanças radicais em sua definição de Provedores de Serviços de Ativos Virtuais, ou VASPs, para incluir vários serviços relacionados a criptomoedas – uma mudança que poderia impactar a propriedade de Bitcoins (BTC) no país – de acordo com o especialista europeu em conformidade Sumsub.

Em 21 de setembro, o Ministério das Finanças da Estônia publicou um projeto de lei para atualizar a Lei de Prevenção à Lavagem de Dinheiro e ao Financiamento do Terrorismo (a Lei AML) como parte do esforço do governo para prevenir a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo.

Como Sumsub relatou, a legislação está agora em processo de revisão interagências, com implementação marcada para fevereiro de 2022. As empresas de criptomoedas regulamentadas têm até 18 de março de 2022 para colocar suas operações e papelada em conformidade.

De acordo com o CEO da New DeFi, Mikko Ohtamaa, a lei atualizada efetivamente proíbe carteiras de software sem custódia, bem como produtos financeiros descentralizados, no país. Isso porque as cláusulas do projeto visam os VASPs, que incluem criptomoedas e carteiras, na Estônia. Quando a fatura estiver pronta, o VASP será estendido para cobrir plataformas descentralizadas, ofertas iniciais de moedas e outros serviços. A violação das disposições pode resultar em uma multa de até US$ 452.000 ou 400.000 euros.

De acordo com a interpretação de Ohtamaa, a nova lei tem o seguinte efeito: “Você só tem permissão para manter seu Bitcoin em um Provedor de Serviços de Ativos Virtuais (VASP) de custódia. O VASP pode congelar sua conta. Portanto, ele não é mais efetivamente seu Bitcoin.”

A Estônia não apenas baniu #defi, mas também baniu #bitcoin. Você não tem permissão para baixar carteira e manter #bitcoin mais na Estônia.

– Mikko Ohtamaa (@moo9000) 31 de dezembro de 2021

A Estônia foi um dos primeiros países da União Europeia a licenciar negócios de criptomoeda, mas teve que reprimir depois que centenas de bilhões de dólares em dinheiro sujo foram descobertos no Danske Bank, posicionando a Estônia no centro da maior catástrofe de lavagem de dinheiro da Europa.

Conforme relatado pelo Cointelegraph, Matis Mäeker, chefe da Unidade de Inteligência Financeira da Estônia (FIU), instou o governo em outubro a “zerar as regras e começar a licenciar tudo de novo”. Ele afirmou que o público em geral não tem conhecimento dos riscos inerentes a criptomoedas, especialmente em torno de seu suposto papel na lavagem de dinheiro e no financiamento do terrorismo, bem como a vulnerabilidade da indústria aos cibercriminosos.

VEJA MAIS:

Siga-nos nas redes sociais

Siga nosso perfil no Instagram e no Telegram para receber notícias em primeira mão!





Fonte: cointelegraph.com.br

Comments (No)

Leave a Reply