Mineração de Bitcoin causou ‘miséria’ em cidade do Texas, diz jornal local


Na pequena cidade de Granbury, no Texas, a chegada de uma empresa de mineração de bitcoin próximo a uma usina de energia transformou a vida dos moradores locais em um ‘pesadelo incessante de ruídos’, disse a mídia local nesta sexta-feira (2).

Cheryl Shadden, uma enfermeira anestesista residente da área, compara a experiência a estar numa pista de decolagem de aeroporto, com o som contínuo e ensurdecedor impedindo conversas ao ar livre e perturbando o sono noturno.

A situação levou a comunidade a expressar sua angústia e buscar soluções para o problema que, segundo eles, também tem afetado a vida selvagem local e causado problemas de saúde como enxaquecas.

Granbury aparentemente não está sozinha em sua luta; de acordo com o site time.com, cidades por todo os Estados Unidos enfrentam impactos similares devido à mineração de bitcoin.

Com o crescimento do mercado de criptomoedas em 2023, após uma queda em 2022, empresas de mineração expandiram suas operações, dobrando o consumo global de energia para mineração, segundo estudos.

Esse aumento na atividade de mineração trouxe à tona preocupações quanto aos danos ambientais a longo prazo e os impactos locais adversos, levando a críticas sobre a sustentabilidade dessa indústria.

Mineração de Bitcoin causou miséria em cidade dos EUA, diz jornal local

Moradora pendurou uma placa em sua rua para protestar contra o barulho de uma mineradora de Bitcoin. (Imagem: time.com)

A mineração de bitcoin é intensiva em energia devido ao seu mecanismo de “prova de trabalho”, um processo criptográfico complexo que garante a integridade da rede.

Texas, em particular, tornou-se um polo global de mineração de bitcoin, atraindo mineradoras com energia barata, vastas extensões de terra, leis fiscais e regulamentações favoráveis.

Empresas como Riot Platforms e Marathon Digital Holdings recentemente ampliaram suas operações no estado, consumindo cerca de 2.100 megawatts da oferta de energia do Texas.

O problema em Granbury ganhou destaque após a Marathon Digital Holdings adquirir mineradoras de bitcoin em Granbury, herdando também as queixas da comunidade local.

Os residentes, inicialmente incertos sobre a origem do ruído perturbador, logo descobriram que ele vinha das enormes ventoinhas de resfriamento da instalação, necessárias para evitar o superaquecimento dos computadores.

A situação escalou com moradores recorrendo às redes sociais para expressar suas frustrações e sintomas de saúde decorrentes do ruído constante.

Em resposta às reclamações crescentes, a operadora do local, US Bitcoin Corp, concordou em construir uma barreira sonora, uma medida que acabou por reduzir o ruído em algumas áreas, mas amplificá-lo em outras.

A comunidade expressou seu descontentamento em uma reunião municipal, evidenciando a gravidade dos impactos na saúde e na qualidade de vida dos moradores.

Mineração de Bitcoin usa energia verde

Contrapondo as críticas, estudos indicam que cerca de 60% da mineração de bitcoin global utiliza energia verde, sugerindo um movimento em direção à sustentabilidade dentro da indústria.

Essa informação apresenta um contraponto importante às preocupações ambientais, indicando um potencial para práticas de mineração mais ecológicas.

A situação em Granbury reflete um dilema maior enfrentado por comunidades globais: o equilíbrio entre o avanço tecnológico e a sustentabilidade ambiental.

Enquanto a mineração de bitcoin e outras criptomoedas oferece oportunidades econômicas, os custos ambientais e sociais associados exigem uma consideração cuidadosa e a busca por soluções que harmonizem o progresso tecnológico com a proteção do meio ambiente e o bem-estar das comunidades.

As empresas envolvidas, como a Marathon Digital Holdings, expressaram compromisso em avaliar e mitigar os problemas, destacando a importância de uma convivência harmoniosa com as comunidades locais.

Fonte: Mineração de Bitcoin causou ‘miséria’ em cidade do Texas, diz jornal local

Veja mais notícias sobre Bitcoin. Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.





Fonte: cointimes.com.br