FTX busca vender subsidiária Digital Custody em meio a processo de falência


A FTX, sob a liderança do CEO John Ray III, propôs a venda da Digital Custody Inc. (DC) para a CoinList por US$ 500 mil, uma redução significativa em relação ao preço de compra original de US$ 10 milhões.

A venda, que conta com financiamento do CEO original e vendedor da DC, Terence Culver, faz parte dos esforços de reestruturação da FTX após o pedido de falência em novembro de 2022.

A DC, adquirida para fornecer serviços de custódia para a FTX US e LedgerX, não foi totalmente integrada ao ecossistema FTX antes da falência, tornando-a de pouco valor para o patrimônio da FTX.

Valor diminuído e licença de custódia

A equipe jurídica da FTX esclareceu que, como a FTX US não foi reiniciada, a Digital Custody possui pouco valor para o patrimônio.

A DC ainda detém uma licença de custódia da Divisão de Bancos da Dakota do Sul, o que potencialmente poderia agregar valor.

Após avaliar três ofertas, incluindo uma de Culver, os devedores selecionaram a oferta da CoinList, considerando a capacidade de concluir rapidamente a venda e a relação benéfica com Culver, o que se acredita facilitar a aprovação regulatória de forma ágil.

Planos de reestruturação da FTX

A FTX esclareceu que seus planos de reestruturação não incluem um reinício da empresa, mas sim focam em reembolsar os clientes integralmente. Em uma audiência judicial em 31 de janeiro, foi enfatizado que, apesar dos esforços extensivos, não há planos para relançar a FTX.

Antes disso, vários usuários da FTX pediram a um juiz de falências dos EUA que impedisse a exchange de avaliar seus depósitos em criptomoedas usando preços de 2022, alegando que essa abordagem os impedia de se beneficiar do recente aumento nos preços das criptomoedas.





Fonte: BITNOTICIAS.COM.BR