Fim dos likes? Blecaute do Facebook traz reflexões sobre a Web 3.0


O conglomerado de aplicativos sociais do Facebook, incluindo Instagram, WhatsApp, Messenger e seu óculos de realidade virtual Oculus, sofreram um grande blecaute na segunda-feira, tornando as plataformas offline por um total de seis horas, afetando bilhões de usuários e empresas em todo o mundo.

O incidente foi relatado pela primeira vez por volta das 12h16 (horário de Brasília) de segunda-feira, quando uma onda de reclamações surgiu de usuários em todo o mundo, alegando que não conseguiam acessar suas redes sociais.

Uma pós-análise da Cloudflare sobre a crise concluiu que o Facebook “parou de anunciar as rotas para seus prefixos DNS”, o que significava que os “servidores DNS não estavam disponíveis”.

O gráfico abaixo mostra a incapacidade de acessar o endereço da web do domínio do Facebook um pouco antes das 13h, até alguns minutos após as 18hs de Brasília. 

Embora um pequeno número de alegações individuais tenha circulado uma suspeita de hack ou manipulação após a recente história do denunciante, nenhuma evidência que corroborasse essas teorias foi oficialmente relatada.

Em uma postagem no seu blog oficial divulgada na terça-feira, o Facebook detalhou suas suspeitas sobre a causa da interrupção:

“Nossas equipes de engenharia concluíram que as alterações de configuração nos roteadores de backbone que coordenam o tráfego de rede entre nossos centros de dados causaram problemas que interromperam a comunicação.”

Quando da interrupção de março de 2019, que durou 24 horas, o Facebook também citou um problema com uma “mudança na configuração do servidor”.

Na declaração de hoje, o gigante da mídia social continuou a dizer:

“Queremos deixar claro neste momento que acreditamos que a causa raiz desta interrupção foi uma alteração de configuração com defeito. Também não temos evidências de que os dados do usuário tenham sido comprometidos como resultado desse tempo de inatividade.”

O sonho de descentralização de Dorsey

Enquanto o gigante Facebook tropeçava em praça pública, o clamor das comunidades de criptomoedas por redes sociais abertas e descentralizadas ecoou na cidade vizinha de Twitter.

Os dados analíticos mostrados abaixo revelam que as consultas do mecanismo de busca para aplicativos de mídia social fora do domínio do Facebook, incluindo Twitter e TikTok, aumentaram quase 200% durante a interrupção de seis horas.

Um padrão descentralizado para mídias sociais é uma iniciativa que o CEO do Twitter, Jack Dorsey, está empenhado embuscar, conforme declarado em um tweet de 2019, e mais uma vez no início deste ano.

Estamos tentando fazer a nossa parte, financiando uma iniciativa em torno de um padrão aberto descentralizado para as mídias sociais. Nosso objetivo é ser um cliente desse padrão para a camada de debate público da Internet. Chamamos isso de @bluesky: https://t.co/51or6OuNNv

– jack⚡️ (@jack) 14 de janeiro de 2021

Aparentemente em resposta aos esforços de Dorsey, Stani Kulechov, CEO da líder de finanças descentralizadas (DeFi) Aave, expressou planos ambiciosos de lançar um rival do Twitter construído em Ethereum no final deste ano, afirmando: “Visto que Jack vai construir Aave em Bitcoin, Aave deve construir o Twitter no Ethereum. ”

Ironicamente, por meio de um tweet!

O calcanhar de Aquiles dos gigantes sociais

Nos últimos anos, o influxo de preocupações morais em torno das violações de privacidade, coleta de dados, censura e notícias falsas alimentou a conversão para uma renovação das plataformas de mídia social que passaram a dominar nossa democracia.

A prevalência e a gravidade de tais problemas começaram a afastar usuários conscientes dos gigantes centralizados Facebook, YouTube e Twitter em favor de alternativas mais libertadoras.

O rápido surgimento da tecnologia de criptomoeda e blockchain, especificamente seus recursos nativos de descentralização, transparência e recompensa da comunidade, potencializou o surgimento dessas iniciativas de próxima geração.

Representando a Web 3.0, as plataformas de amanhã prometem cultivar um modelo mais justo e inclusivo de interação digital, realinhando os valores do espaço social para estimular a liberdade de expressão, o bem-estar do usuário e a autogovernança.

A Subsocial é uma plataforma aberta para mercados e redes sociais descentralizadas construída nas blockchains Polkadot e IPFS. O objetivo é fornecer aos usuários total soberania de dados, o que significa liberação sobre seus dados confidenciais, conteúdo e fontes de receita para facilitar o desenvolvimento de comunidades justas, abertas e independentes.

Ao utilizar recursos essenciais, como espaços e postagens, os usuários podem adotar uma abordagem faça-você-mesmo para criar suas próprias versões descentralizadas dos aplicativos sociais mais populares que usamos hoje, como Medium, Twitter, Reddit, Instagram, Patreon e muito mais.

Conscientes das falhas bem documentadas de seus antecessores, os usuários do Subsocial recebem licença criativa completa ao longo de sua experiência, beneficiando-se de “feed de notícias e notificações personalizadas, reputação transparente, pesquisa de texto completo, formatos de conteúdo ricos, sem sacrificar o mecanismo de busca.”

Como afirma o pequeno manifesto do projeto, a rede é mais do que apenas uma “plataforma de blog com pagamentos em criptomoedas”. É “finança social onde a mídia social encontra a DeFi”.

O Cointelegraph conversou com dois participantes ativos no ecossistema descentralizado que se esforçam para construir modelos alternativos para a experiência de tecnologia atual, baseados na Web 3.0.

Colin Pape, fundador do mecanismo de busca descentralizado Presearch, falou sobre a importância da propriedade na esfera social:

“A Web 3.0 precisa ir além dos problemas que causam essa interrupção: centralização. Adotando, em vez disso, a abordagem descentralizada que coloca o poder de volta nas mãos dos usuários e os incentiva a ajudar a manter um mundo digital que é mais seguro, estável e, o mais importante, online quando você precisa.”

Ed DeLeon, CEO da organização autônoma descentralizada (DAO) Anatha, falou sobre o impacto potencial que os DAO podem causar neste setor:

“Redes sociais de propriedade social parecem uma das medidas mais óbvias que podemos fazer para evitar que isso aconteça novamente. As ferramentas tecnológicas necessárias para construir plataformas de mídia socialmente responsáveis, de propriedade social e socialmente úteis já estão disponíveis, principalmente Organizações Autônomas Descentralizadas (DAOs).

LEIA MAIS: 





Fonte: cointelegraph.com.br

Comments (No)

Leave a Reply