especialista aponta 5 vantagens e riscos das DeFi

As DeFi, ou finanças descentralizadas, são o conjunto de serviços e produtos financeiros, como empréstimos, transferências e sistemas de pagamentos, que rodam em uma blockchain e na maioria dos casos, essas soluções não são controladas por intermediários, como bancos ou outras instituições financeiras.

Com o termo cada vez mais em alta, é comum que entusiastas do mercado de criptomoedas se perguntem quais são os diferenciais dessas operações, bem como as vantagens e desvantagens antes de dar o primeiro passo neste mercado.

Para tratar do tema o Cointelegraph conversou com Rafael Lima, Head de Operações Estruturadas da fintech Rispar, que explicou as principais características das DeFi, para que o consumidor possa esclarecer as principais dúvidas sobre essa modalidade. ,

Principais vantagens

Segundo Lima, os empréstimos DeFi têm múltiplas vantagens para todas as partes envolvidas, quando comparados ao sistema tradicional. A principal vantagem são os custos que, em grande parte, batem com o mercado tradicional.

Além disso, ele explica que os empréstimos DeFi são concedidos de forma consistente, já que todas as taxas e regras DeFi são claramente definidas, deixando pouco espaço para erro humano.

“É importante entender que o Blockchain é um livro-razão público que pode fornecer registros sob demanda de todos os empréstimos DeFi, como as regras e políticas que concederam a negociação. E este livro razão público distribuído serve como prova de todas as transações financeiras quando um empréstimo DeFi é concedido”, esclarece.

Por fim, uma das vantagens se dá em relação aos prazos, já que os empréstimos DeFi são processados rapidamente e o valor emprestado fica disponível imediatamente se o empréstimo for aprovado.

Riscos

Assim como em qualquer tipo de operação financeira, é fundamental que o consumidor esteja atento sobre os riscos destas finanças. Lima alega que é possível que o investimento do consumidor seja liquidado antes do esperado, diante de uma oscilação no preço dos tokens, por exemplo.

Uma vez que DeFi é construído através de códigos, o risco mais comum é a falha de programação que expõem a hackers vulnerabilidades onde eles podem remover todos os valores depositados, segundo o especialista. Diante do empréstimo, o cliente recebe como juros o “colateral” que o pool fornece, então corre-se o risco do valor desse ativo cair e gerar um prejuízo comparado ao valor que emprestou.

De acordo com Rafael Lima, muitos consideram o DeFi o próximo passo devido ao conceito de Finanças Descentralizadas. Esse termo abrangente contempla uma variedade de aplicações e projetos no espaço aberto da blockchain sem ter uma autoridade central de governança.

Essencialmente, esse uso da tecnologia alfineta o mundo das finanças tradicionais em múltiplos aspectos, aprimorando a movimentação digital do dinheiro e criando ferramentas totalmente inéditas.

“Nesse cenário, o Governo e o mercado tradicional já entenderam que as finanças descentralizadas vieram para ficar. Esta nova tecnologia não pode ser ignorada, pois diariamente observamos novos governos e players do mercado financeiro tradicional se rendendo a este novo conceito”, conclui. 

LEIA MAIS

Siga-nos nas redes sociais

Siga nosso perfil no Instagram e no Telegram para receber notícias em primeira mão!





Fonte: cointelegraph.com.br