Empréstimos de criptomoedas ainda podem sobreviver ao mercado de baixa, diz analista

O mercado de criptomoedas em baixa é muito prejudicial para os credores do setor, mas o conceito de empréstimo de criptomoedas ainda pode sobreviver ao banho de sangue, de acordo com alguns especialistas do setor.

O empréstimo de criptomoedas é um tipo de serviço que permite que os mutuários usem seus criptoativos como garantia para obter empréstimos em moedas fiduciárias como o dólar dos Estados Unidos ou stablecoins como o Tether (USDT). A prática permite que os usuários obtenham dinheiro sem precisar vender suas moedas e paguem o empréstimo posteriormente.

De acordo com Josef Tětek, analista de Bitcoin (BTC) da empresa de carteiras frias de criptomoedas Trezor, as empresas de criptomoedas que administram seus negócios com base em reservas fracionárias estão expostas a maiores riscos durante os mercados de baixa.

No sistema bancário tradicional, o modelo de reserva fracionária é um sistema em que apenas uma fração dos depósitos é lastreada em dinheiro real. As empresas de empréstimo de criptomoedas estão “definitivamente administrando um negócio de reserva fracionária” para fornecer rendimentos a seus clientes, de acordo com Tětek.

“Exchanges e custodiantes que funcionam em um modelo de reserva fracionária estão brincando com fogo. Essa prática pode funcionar bem durante os mercados em alta, quando essas empresas experimentam entradas líquidas e aumentam sua base de clientes”, afirmou o executivo.

De acordo com a Tětek, quedas acentuadas nos preços das criptomoedas são mais suportáveis ​​para empresas de criptomoedas que não fornecem serviços de empréstimo e não alavancam os depósitos dos usuários. Isso permite que eles sobrevivam ao efeito dominó da queda dos preços e da falência das empresas.

“Se você colocar alavancagem – negociando com fundos emprestados – as perdas geralmente são muito mais dolorosas, especialmente com movimentos repentinos de preços”, observou Tětek.

Para sobreviver à atual crise de empréstimos de criptomoedas, os credores de criptomoedas precisam resolver um grande problema relacionado a ativos e passivos de curto prazo, argumentou o analista, afirmando:

“O empréstimo de criptomoedas como conceito pode sobreviver a essa crise, mas o setor precisa se livrar do problema do descasamento de vencimentos: se outra pessoa emprestou meus ativos e eu recebo um rendimento como retorno, tenho que esperar que o mutuário pague antes que eu possa sacar.”

Tětek continuou dizendo que os problemas de liquidez são inevitáveis ​​para os credores que prometem liquidez total em ativos que são emprestados ao mesmo tempo.

“Cada participante precisa respeitar os riscos envolvidos e o fato de que não há resgates no espaço; portanto, se um mutuário não pagar, o credor deve aceitar sua perda. Não há rendimento livre de risco e, muitas vezes, o rendimento não vale os riscos”, acrescentou.

O setor de empréstimos de criptomoedas enfrenta uma de suas maiores crises históricas em meio aos preços das criptomoedas caindo para os níveis de 2020, com o valor de mercado total encolhendo em mais de US$ 1 trilhão desde o início do ano.

A Celsius, uma importante plataforma global de empréstimo de criptomoedas, suspendeu todos os saques em sua plataforma em 13 de junho, citando “condições extremas de mercado”, já que seu token CEL nativo perdeu cerca de 50% de seu valor. A gestora de ativos e credora de criptomoedas de Hong Kong Babel Finance também suspendeu temporariamente os resgates e saques de seus produtos em 17 de junho devido a “pressões de liquidez incomuns”.

LEIA MAIS: 

Siga-nos nas redes sociais

Siga nosso perfil no Instagram e no Telegram para receber notícias em primeira mão!





Fonte: cointelegraph.com.br