‘Czar do Bitcoin’ condenado pela Justiça é citado no escândalo Pandora Papers

O Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) identificou um importante criminoso da criptosfera entre aqueles que canalizaram fundos para sombrios paraísos fiscais em seus “Pandora Papers”.

De acordo com um documento do ICIJ de 3 de outubro resumindo as descobertas da organização em sua investigação Pandora Papers, ativos offshore pertencentes a um suposto “czar do Bitcoin condenado por lavagem de dinheiro em conexão com o maior roubo cibernético da história” foram identificados como sendo administrados por uma das empresas.

Os Pandora Papers compreendem uma coleção de dados de 2,94 terabytes abrangendo 11,9 milhões de registros de 14 provedores de serviços offshore diferentes. Os documentos afirmam expor os ativos ocultos de mais de 330 políticos e funcionários públicos de alto escalão de 90 jurisdições diferentes, incluindo 35 estadistas e mais de 130 bilionários.

O ICIJ também observou que os ativos de “banqueiros, grandes doadores políticos, traficantes de armas, criminosos internacionais, estrelas pop, chefes de espionagem e gigantes do esporte” podem ser identificados entre os documentos.

Embora o “czar do Bitcoin” identificado nos Pandora Papers não seja nomeado diretamente, sua sentença em conexão com o roubo cibernético mais importante da história estreita o escopo de possibilidades de quem pode ser o indivíduo.

Repórteres descreveram as operações do grupo de hackers Carbanak como incomparáveis ​​em escala e valor, com a estimativa de a gangue cibernética ter roubado mais de US$ 1,24 bilhões de instituições financeiras e empresas localizadas em mais de 100 países entre 2013 e 2017.

Embora dois dos seis indivíduos tenham sido condenados por seu papel no Carbanak, as circunstâncias em torno da prisão de 2018 do suposto líder do Carbanak, Denis Tokarenko (também conhecido como Denis Katana), sugerem que ele pode ser o culpado identificado nos Pandora Papers .

De acordo com um artigo da Bloomberg Businessweek relatando a prisão de Tokarenko em março de 2018, a Polícia Nacional Espanhola encontrou 15.000 Bitcoin (BTC), no valor de US$ 162 milhões na época, na posse do hacker.

Carlos Yuste, inspetor-chefe do centro de crimes cibernéticos da Polícia Nacional Espanhola, disse à publicação que Tokarenko também usou uma operação de mineração de Bitcoin adquirida na China para lavar seus fundos roubados em BTC.

Muitos analistas também descreveram o ciber roubo do Bangladesh Bank de 2016, em que hackers roubaram quase US$ 1 bilhão de uma conta do Federal Reserve Bank de Nova York de propriedade do banco central de Bangladesh, como o maior roubo digital da história.

No entanto, o ex-funcionário da Rizal Commercial Banking Corporation, Maia Santos Deguito, é o único indivíduo a ter sido condenado pelo ciber roubo até o momento, e uma investigação da Cointelegraph não revelou nenhuma fonte associando Deguito a criptoativos.

LEIA MAIS: 

Direcione seus links para OKEx em artigos, blogs e vídeos, ou coloque anúncio em seu site. O melhor programa de afiliados está na OKEx com comissões de 60%, as mais altas do mercado.

Obtenha seu link agora na OKEx!



Fonte: cointelegraph.com.br

Comments (No)

Leave a Reply