como o novo regulamento AML da Europa afetará as criptomoedas

De acordo com relatos recentes da mídia, seis países europeus, liderados pela Alemanha, estão trabalhando no lançamento de um órgão Anti-Lavagem de Dinheiro (AML) que incluirá o mercado de criptomoedas em sua alçada. Os detalhes continuam escassos, mas sabe-se que a iniciativa envolve Alemanha, Espanha, Áustria, Itália, Luxemburgo e Holanda. O grupo está trabalhando no “recurso e design” de uma nova força internacional de vigilância de AML que terá uma ênfase particular em criptomoedas, e a Comissão Europeia – a principal instituição executiva da União Europeia – será a principal plataforma para a discussão. Como a mudança afetará o espaço cripto europeu?

O mandato do regulador

A nova força-tarefa terá como objetivo “cobrir as entidades transfronteiriças mais arriscadas entre bancos, instituições financeiras e provedores de serviços de criptoativos”. No momento, a iniciativa ainda aguarda deliberação oficial. Christian Toms, sócio do grupo de prática de litígios e arbitragem do escritório de advocacia Brown Rudnick em Londres, observou ao Cointelegraph:

“As negociações permanecem em andamento em torno de seu mandato e, como parte dessas negociações – presumivelmente devido à crescente conscientização sobre os usos e riscos em torno das criptomoedas – entende-se que há discussões específicas sobre o papel da agência na regulação de criptomoedas e relacionados. instituições uma parte fundamental de seu mandato, potencialmente até mesmo explicitando tais assuntos em seus princípios fundamentais”.

Esta não é a primeira vez que a mídia especula sobre a ideia de uma força-tarefa de criptomoedas da UE. Em julho de 2021, a Reuters – citando documentos vazados – informou que a Comissão Europeia havia proposto uma nova Autoridade Anti-Lavagem de Dinheiro, que se tornaria a “peça central” de toda a arquitetura europeia de supervisão de criptomoedas. Os planos mencionados também incluíam novos requisitos para provedores de serviços de ativos virtuais de acordo com os rígidos padrões de coleta de dados da UE.

Regido por diretivas

Uma crítica comum à regulamentação de criptomoedas dos Estados Unidos é que ela depende de uma mistura de agências como a Comissão de Valores Mobiliários, Comissão de Negociação de Futuros de Commodities,  Rede de Fiscalização de Crimes Financeiros e muitas outras. A Europa, no entanto, também não tem uma única autoridade responsável – há apenas uma colcha de retalhos de várias agências nacionais, muitas das quais especializadas em questões de economia digital. Isso torna a criação de um regulador centralizado mais uma necessidade do que um movimento hostil.

A atual ausência de tal órgão decorre do fato de que as regras de LBC da UE são estabelecidas por diretivas, que são atos legislativos que não são automaticamente obrigatórios e precisam ser transpostos por cada estado membro para suas leis nacionais. Thibault Verbiest, chefe do departamento financeiro de fintech e cripto do escritório de advocacia Metalaw, explicou ao Cointelegraph:

“Embora a 5ª Diretiva Anti-Lavagem de Dinheiro, que entrou em vigor em 10 de janeiro de 2020 e desde então foi totalmente transposta por quase todos os estados membros, inclua em seu escopo provedores de serviços de cripto (principalmente, exchanges e provedores de carteira de custódia) como entidades obrigadas , […] a ausência de uma autoridade pan-UE impõe confiar em cada regulador nacional para fazer cumprir as regras AML.”

O estado atual da aplicação da AML europeia sofreu duras críticas há vários anos, quando investigações separadas em nível nacional provaram que mais de 200 bilhões de euros (cerca de US$ 227 bilhões na época) de dinheiro de não residentes fluiu através da filial estoniana do maior banco da Dinamarca entre 2007. e 2015.

Mudanças no cenário regulatório

Com a chegada do novo poder de execução, podemos testemunhar uma rápida centralização (e esclarecimento) da estrutura de criptomoedas da UE. Isso poderia minimizar a vantagem competitiva de certas jurisdições visivelmente amigáveis, pois, na opinião de Verbiest, as diferenças na transposição, interpretação e aplicação das regras serão eliminadas. Será mais difícil, senão impossível, que um estado membro da UE tenha uma postura diferente dos demais:

“As atividades de monitoramento e as regras de combate à lavagem de dinheiro/financiamento do terrorismo em toda a UE serão uniformizadas e consolidadas. […] Com requisitos de relatórios mais rigorosos e uma melhor cooperação entre os estados membros em assuntos ABC/CFT, os reguladores desejam estabelecer o melhor mapeamento possível de transações cripto para identificar transações que pertencem a atividades ilícitas, bem como limitar a erosão da base tributável”.

A principal tendência de rápida consolidação regulatória está aqui para ficar, pois a questão da lavagem de dinheiro (não necessariamente relacionada às criptomoedas) permanece altamente relevante. De acordo com Toms, as regras e regulamentos AML já estão sendo reforçados em geral a cada nova iteração dos regulamentos da UE, à medida que a batalha contra o dinheiro sujo se intensifica:

“O atual conflito na Ucrânia e as sanções contra a Rússia podem vir a ser mais um catalisador para uma regulamentação mais rígida em todos os setores, se houver medo de que certas partes possam estar ainda mais ativamente procurando encontrar cada vez mais novas formas de contornar a regulamentação AML. […] Cripto, que já está na mira da UE há algum tempo, pode muito bem se ver preso na situação.”

O cenário de linha dura

Outro fator importante é o desenvolvimento de projetos de moeda digital emitidos pelo banco central e pelo estado, que podem afetar o clima regulatório e de supervisão e dificilmente seriam otimistas para a indústria de criptomoedas. Se esse movimento ganhar força em toda a Europa, empresas e moedas de criptomoedas “não regulamentadas” podem se tornar cada vez mais marginalizadas e vistas como uma rota tomada por aqueles que, por algum motivo, não querem usar CBDCs autorizadas pelo Estado.

Um cenário tão sombrio está longe de ser garantido, no entanto, dada a crescente adoção de criptomoedas nos níveis de varejo e institucional e com cada vez mais grandes nomes das finanças se envolvendo com isso de alguma forma.

No final das contas, a Europa, onde a tomada de decisões executivas é sem dúvida menos sobrecarregada com a pressão parlamentar do que nos EUA, pode apresentar uma postura mais dura em relação às criptomoedas. A UE provavelmente procurará adotar uma linha cada vez mais dura na regulação da conduta criminosa e na proteção do consumidor, e as criptomoedas ainda são vistas com suspeita.

Mas o jogo não é unilateral: afinal, a indústria de criptomoedas terá que descobrir como gerenciar questões de transparência e conhecer seu cliente em um mundo descentralizado.

VEJA MAIS:

Siga-nos nas redes sociais

Siga nosso perfil no Instagram e no Telegram para receber notícias em primeira mão!





Fonte: cointelegraph.com.br