3 tokens de games ‘play-to-earn’ que se valorizaram até 214% esta semana


O encerramento do terceiro trimestre de 2021 provou que os jogos em blockchain, impulsionados pelo modelo “jogar-para-ganhar” (play-to-earn) (P2E), consolidaram-se como os maiores responsáveis pelo crescimento da indústria de criptomoedas recentemente.

Entre julho e setembro, as carteiras ativas exclusivas conectadas a dApps de games somaram 754.000, de acordo com dados do Dapp Radar. Esse número representa quase a metade da atividade de toda a indústria.

A integração dos jogos com o setor de NFT também cresceu. Os tokens não fungíveis de jogos representaram mais de 20% do volume recorde de negociação de NFTs no perído.

Além disso, outubro começou com a mais recente alta histórica do maior fenômeno do setor. Em 4 de outubro, o AXS, token de governança do Axie Infinity alcançou US$ 155,08, atraindo cada vez mais investidores e jogadores em busca de novas oportunidadesno crescente mercado de jogos em blockchain.

Ainda não se sabe qual será o próximo Axie Infinity, mas ninguém quer deixar de perder a chance de investir em um token que possa repetir a valorização exponencial do AXS.

Esta semana, entre as três principais moedas em destaque há uma novidade, um jogo que possui uma das maiores bases de usuários do setor, e um jogo inspirado em criaturas fantásticas como os axies.

My Master War

O número 1 da lista tem dois atrativos que o tornam forte candidato a ampliar rapidamente a sua base de usuários e, consequentemente, potencializar a valorização do seu token nativo, o MAT. My Master War não demanda qualquer investimento inicial para que se comece a jogar e está disponível em múltiplas plataformas e dispositivos.

O jogo se desenvolve sobre duas linhas temporais diferentes e o principal objeto de disputa é nada mais nada menos que o poder sobre reinos, países, continentes, o universo e, é claro, no final, a conquista do metaverso. A cada desafio vencido, os jogadores são recompensados com MATs. Outra forma de acumular o token nativo é atraindo novos usuários para o ecossistema do My Master War.

A primeira parte se passa na Idade Média e cada jogador é como o soberano de um determinado território. Eles devem montar e comandar exércitos para disputar e vencer, superando ao fim os limites da humanidade para transcender a dualidade entre a vida e a morte.

Uma vez que se tornem capazes de atravessar o tempo e o espaço deliberadamente, os jogadores devem construir seus impérios virtuais no metaverso.

Nesse estágio, os jogadores já não usarão mais os dispostivos clássicos para interagir com o ambiente do jogo. Em vez disso, prometem os desenvolvedores, “eles entrarão em um mundo virtual 3D, e se transformarão, de fato, em deuses com força e habilidades infinitas para criar e conquistar novos mundos.”

My Master War combina recursos de NFT com DeFi e é baseado na Binance Smart Chain. É possível fazer staking no próprio ambiente do jogo e colecionar e negociar os NFTs conquistados no ambiente do jogo ou comprados no marketplace oficial da plataforma.

Nos últimos sete dias, o MAT registrou um crescimento de 214%. No momento em que este texto é escrito está cotado a US$ 4,07. Apenas nas últimas 24 horas, a valorização do MAT foi superior a 30%, de acordo com dados do CoinMarketCap.

Desempenho semanal do MAT. Fonte: CoinMarketCap

Hoje, o MAT ocupa a 751ª posição do ranking geral de criptomoedas e tem uma capitalização de mercado de US$ 24,1 milhões.

Splinterlands

O segundo colocado esta semana é um velho conhecido da comunidade cripto. No final de setembro, Splinterlands tornou-se o jogo em blockchain com o maior número de usuários diários ativos. Desde então, sua base se ampliou ainda mais e hoje são 372.480 jogadores por dia, segundo dados do Dapp Radar.

Splinterlands é um jogo de cartas colecionáveis baseado na blockchain da Hive que permite aos usuários jogar e negociar cartas baseadas em NFTs (tokens não fungíveis) no modelo “jogar-para-ganhar” (play-to-earn). Ou seja, à medida que jogam, os gamers podem conquistar e acumular a moeda nativa do jogo, conhecida como “Dark Energy Crystals” (DEC).

Além do DEC, Splinterlands também tem um token de governança, o Splintershards (SPS), cuja valorização nos últimos sete dias foi de 43% de acordo com o CoinMarketCap. No momento em que este texto está sendo escrito, o SPS está cotado a US$ 0,8753 e ocupa a 348ª posição no ranking geral de criptomoedas, e tem uma capitalização de mercado de US$ 132,7 milhões.

Desempenho semanal do SPS. Fonte: CoinMarketCap

Splinterlands é um jogo multijogadores com uma proposta que combina os jogos de cartas no estilo “Pokémon” com personagens do “World of Warcraft”. Sua narrativa é baseada em um mundo místico em que os jogadores se envolvem em batalhas, cumprem tarefas, participam de torneios e conquistam territórios.

Para começar a jogar Splinterlands, basta registrar-se gratuitamente na plataforma. Uma vez registrados, os novos jogadores ganham algumas cartas “nível 1” que ficarão vinculadas às suas contas e não poderão ser trocadas ou vendidas.

Depois, é preciso montar um time a partir dos colecionáveis, sendo que o primeiro passo é escolher um “invocador”. Ele determina o nível e o tipo das cartas disponíveis para a formação dos times. Em seguida, deve-se posicionar as cartas de acordo com seus status e atributos.

Atualmente, o jogo oferece 283 cartas que podem ser combinadas para aumentar as habilidades de seus personagens e se tornarem os times mais fortes.

CryptoZoon

O terceiro lugar cabe a um postulante direto a se tornar o novo Axie Infinity por reproduzir a dinâmica e a estrutura do grande líder do setor. Para participar do jogo é necessário ter pelo meno um Zoan, uma espécie de monstrinho digital equivalente aos axies. 

Os Zoans são colecionáveis digitais no formato de tokens não fungíveis, que podem ser de quatro tribos, cada uma dela com habilidades distintas, apresentam diferentes qualidades e têm seis diferentes níveis de raridade.

Assim como no Axie Infinity, os Zoans nascem de ovos e e é necessário gastar alguns ZOON, o token nativo do game, para chocá-los. Depois, as criaturas passam por estágios de evolução até antingirem a maturidade e estarem aptos combater seus inimigos, os monstros Yaki. Combatendo e vencendo os Yakis, os jogadores ganham recompensas na forma de ZOONs. Os jogadores também podem competir entre si para receber recompensas de classificação e criar seus ZOANs para criar novos NFTs.

O CryptoZoon tem seu próprio marketplace de NFTs, onde os jogadores podem negociar seus ZOANs, ou usá-los como colateral para gerar liquidez e colher dividendos. Em resumo, trata-se de uma cópia de Axie Infinity.

Fato curioso a respeito de CryptoZoon é que a sua equipe de desenvolvedores tem preferido manter-se anônima por causa da situação legal dos criptoativos no país em que estão estabelecidos. É possível que todos os envolvidos no projeto sejam chineses, portanto é prudente que eles tentem se manter invisíveis às autoridades locais, pois a China vem reprimindo fortemente a indústria e o mercado de criptomoedas locais.

Nos últimos sete dias, o ZOON acumulou uma variação positiva de 31,5% e neste momento está cotado a US$ 0,01874. O token nativo do CryptoZoon é o 891º colocado no ranking de criptomoedas e sua capitalização total de mercado é de US$ 15 milhões.

Desempenho semanal do ZOON. Fonte: CoinMarketCap

LEIA MAIS



Fonte: cointelegraph.com.br

Comments (No)

Leave a Reply