3 especialistas indicam os melhores investimentos no Brasil com Selic a 12,75%

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu, na última quarta-feira, 4, elevar pela terceira vez seguida em 2022 a Taxa Selic. Com aumento de 1 ponto percentual, a taxa básica de juros passa de 11,75% para 12,75%.

Considerando todas as reuniões realizadas desde o ano passado, esta é a 10º alta consecutiva adotada pelo comitê. Embora seja o maior patamar desde fevereiro de 2017, quando o Comitê baixou a Selic de 13% para 12,25%, a taxa básica de juros deve continuar subindo ao longo de 2022, conforme apontam especialistas.

De acordo com o comitê, um dos principais motivos de aumentar novamente a Selic é a inflação. Só nos últimos 12 meses o IPCA acumula alta de 10,54%.

Para Paulo Deitos, cofundador da CapRate, o novo aumento da Selic deixe mais atrativo investimentos em renda fixa como CDI, Poupança, Fundo de DI e Tesouro Direto e o Crédito Privado do ramo imobiliário, por meio do P2P Lending.

“Estamos em um momento em que a renda fixa volta a ser muito interessante para se investir. Seja pela segurança ou pela rentabilidade, que voltou a ser atrativa com a Selic em dois dígitos. Mas os rendimentos apresentados pelo Crédito Privado Imobiliário por meio do P2P Lending permanecem como os mais atrativos aos investidores”, finaliza Deitos.

Quem também aposta na Renda Fixa é Paulo Saad, sócio da WFlow, segundo ele, com os juros mais altos, a rentabilidade oferecida por títulos de Renda Fixa privados e públicos como os do Tesouro Direto e CDBs (Certificado de Depósito Bancário) é maior.

Além disso ele aponta que Debêntures (títulos emitidos por empresas para financiar seus projetos e operações), LCI (Letras de Crédito Imobiliário) e LCA (Letras de Crédito do Agronegócio) continuam sendo boas opções.

“Investir em Renda Fixa, com taxas pós-fixadas com taxas acima de 110% do CDI, garantem boa rentabilidade e defesa caso o cenário de alta continue. Entendo que Renda Fixa e Variável são formas distintas de aportes, a alta nas taxas de juros levam muitos investidores a sair da volatilidade da Variável e ir para a Fixa, no entanto se a Selic sobe é porque a inflação está alta e se a descontarmos do ganho da Renda Fixa, teremos o ganho real, que pode não ser tão expressivo quanto a taxa contratada”, disse.

Melhores investimentos no Brasil com Selic a 12,75% 

Segundo os especialistas as criptomoedas agora oferecem um risco adicional e os investidores devem ter muita atenção com este mercado de criptoativos pois ha um grande risco de um bear market prolongado.

Para o assessor de investimentos da Monte Bravo de São José dos Campos, Breno Andrade, fazer aportes em ativos pós-fixados podem ser mais interessantes.

“Investimentos pós-fixados neste momento continuam tendo uma boa rentabilidade. CDI+1 CDI+2 CDI+3 são ótimas opções de rentabilidade acima de 14, 15 e até 16%, muitas vezes ainda com insenção de imposto de renda”, disse.

Breno explicou que em se tratando do Brasil, os investimentos em Renda Fixa continuam sendo a bola da vez. Aplicações em Renda Fixa, como no Tesouro Direto, Debêntures, CRI, CRA e FIDCS, continuam rendendo mais. Nesse panorama financeiro, a incerteza gera volatilidade e risco para os investidores.

“No entanto há possibilidades de bons aportes em operações que conseguimos montar em Renda Variável, em ações com capital protegido. Com isso é possível ganhar bons cupons de investimentos e oportunidades para bons retornos”, finalizou.

LEIA MAIS

Siga-nos nas redes sociais

Siga nosso perfil no Instagram e no Telegram para receber notícias em primeira mão!





Fonte: cointelegraph.com.br